Pular para o conteúdo
Início » Libido: O que é? Por que as mulheres sofrem com a baixa dele?

Libido: O que é? Por que as mulheres sofrem com a baixa dele?

A falta de libido pode ter causas psicológicas. Conheça as principais causas da baixa no seu desejo sexual e entenda como reverter.

Libido: O que é? Por que as mulheres sofrem com a baixa dele?
Fonte: Drª Fernanda Macêdo – Libido: O que é? Por que as mulheres sofrem com a baixa dele?

O que é libido?

Libido nada mais é que do que o desejo sexual. Ele pode ser influenciado por questões físicas ou emocionais. Resultando assim momentos de alta ou baixa libido. Essa variação dependerá, sobretudo, das fases da vida.

A libido é um termo que se refere ao impulso sexual e ao desejo por intimidade e prazer físico. É uma energia psíquica que impulsiona a busca por atividades sexuais e está presente em todas as pessoas, embora sua intensidade possa variar. Esse conceito foi popularizado pelo psicanalista Sigmund Freud, que acreditava que a libido se desenvolve na infância e desempenha um papel crucial no desenvolvimento psicossexual humano.

A importância da libido na vida das pessoas é significativa, pois ela desempenha um papel vital na busca por satisfação e intimidade sexual. Uma libido saudável está relacionada à melhora da autoestima, bem-estar emocional e estabilidade nos relacionamentos íntimos. No entanto, é fundamental entender que a libido é um aspecto natural e normal da experiência humana, e que sua expressão e satisfação devem ser respeitadas e abordadas com sensibilidade e compreensão. A conscientização sobre a libido e sua influência em nossas vidas é essencial para promover uma sexualidade saudável e plena.

Libido na mulher

Para as mulheres, o hormônio responsável pelo desejo sexual é a testosterona. Ele é produzido nos ovários e nas glândulas suprarrenais. Auxiliado também pelo estrogênio.

Esse é produzido pelos ovários e tecido gorduroso. Ou seja, esse conjunto que causa a excitação natural física do ser humano.

A sexualidade feminina pode ser influenciada por diferentes momentos da vida, como a puberdade, gravidez, menopausa e outras fases hormonais. Além disso, a saúde emocional e a qualidade do relacionamento com o parceiro têm um impacto significativo no desejo sexual da mulher. A confiança em si mesma e o autoconhecimento também são elementos importantes que podem potencializar a libido feminina.

A libido na mulher é uma maravilhosa montanha-russa de sensações, emoções e desejos. Esse misterioso universo do desejo feminino tem uma complexidade única, tornando cada experiência íntima uma jornada especial. Assim como nos homens, a libido nas mulheres também é impulsionada por uma combinação de fatores físicos, emocionais e hormonais.

Segundo estudos a queixa por falta de libido é comum entre mulheres.

De acordo com um levantamento feito pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo a falta ou diminuição do desejo sexual afetam 48,5% das mulheres que procuram auxilio médico. Estas que procuram ajuda por conta de disfunções sexuais.

Isso pode acontecer, porque a mulher tem mais “interferências”. Como, por exemplo, os anticoncepcionais e a menopausa. Já que esses dois fatores mexem com questões hormonais. Mas como então resolver essa falta de apetite sexual?

Conheça primeiro de tudo suas causas.

Principais causas da falta de libido

Principais causas da falta de libido
Fonte: Centro Médico Martins – Principais causas da falta de libido

A principal causa da diminuição da libido, sobretudo, são os hormônios. As alterações hormonais participam ativamente no controle de desejo sexual. Embora, situações do dia a dia podem interferir, sendo temporário ou duradouro.

Outro fator relevante é o estresse e a ansiedade, que podem atuar como verdadeiros vilões para a libido. Pressões diárias, preocupações financeiras e problemas emocionais podem inibir o interesse por atividades sexuais e diminuir o desejo. Problemas de saúde mental, como a depressão e a baixa autoestima, também estão intimamente ligados à diminuição da libido nas mulheres.

Além disso, questões relacionadas ao relacionamento podem desempenhar um papel fundamental na redução da libido. Problemas de comunicação, conflitos não resolvidos e falta de intimidade emocional com o parceiro podem contribuir para o desinteresse sexual. É fundamental considerar todas essas causas em conjunto para compreender a origem da falta de libido nas mulheres e buscar soluções adequadas para restabelecer uma vida íntima plena e satisfatória.

Confira a seguir as principais causas da baixa de libido:

1 – Alterações emocionais que interferem na libido

Estresse, ansiedade e depressão podem interferir. Afinal, são agravantes. Pois mexem diretamente com o nosso humor. Assim, eles podem cortar o libido temporariamente.

O estresse é um dos principais vilões nessa questão. Preocupações diárias, pressões no trabalho ou em outras áreas da vida podem consumir a mente e desviar a atenção do desejo sexual. A ansiedade também pode se manifestar como uma sombra sobre a libido, tornando difícil relaxar e desfrutar de momentos íntimos.

A autoestima também desempenha um papel importante. Quando alguém se sente inseguro em relação ao próprio corpo ou à sua atratividade, pode acabar se afastando do desejo sexual. Problemas com a imagem corporal e a autoconfiança podem se refletir na intimidade com o parceiro.

A boa notícia é que, ao lidar com essas alterações emocionais, é possível resgatar a libido perdida. O apoio emocional, seja através da terapia ou do diálogo aberto com o parceiro, pode ajudar a enfrentar e superar esses obstáculos. Encontrar maneiras de reduzir o estresse, cuidar da saúde mental e nutrir a autoestima são passos importantes para reavivar a chama do desejo e redescobrir o prazer da intimidade.

2- Traumas emocionais

Sobretudo se tiverem a ver com relações sexuais. Dessa forma, pode causar inibição total de libido.

Traumas emocionais podem levar a respostas psicológicas complexas, como ansiedade, depressão, estresse pós-traumático e disfunção sexual. O corpo e a mente podem entrar em um estado de alerta constante, o que pode resultar em uma diminuição do interesse por atividades sexuais.

Além disso, os traumas emocionais também podem afetar a forma como uma pessoa se relaciona com os outros, incluindo o parceiro íntimo. Problemas de confiança, dificuldades em estabelecer intimidade emocional e uma sensação de desconexão podem surgir como resultado dos traumas vivenciados.

É importante destacar que a recuperação de traumas emocionais é um processo delicado e individual. Procurar apoio terapêutico especializado, como a terapia cognitivo-comportamental ou terapia sexual, pode ser fundamental para lidar com as consequências dessas experiências dolorosas. À medida que a pessoa trabalha na cura emocional, a libido pode se recuperar gradualmente, permitindo uma conexão mais saudável e satisfatória com a sexualidade e a intimidade. A paciência, o autocuidado e o apoio do parceiro são cruciais durante esse processo de recuperação.

3- Impotência sexual

Devido a manter ou até mesmo ter uma ereção. A frustração pode baixar o nível de desejo sexual.

A disfunção sexual feminina pode incluir também outras questões, como dificuldade em atingir a excitação sexual, problemas de orgasmo ou dor durante a relação sexual (dispareunia). É importante lembrar que cada mulher é única e as causas e manifestações da disfunção sexual podem variar de pessoa para pessoa.

4- Problemas no relacionamento

Além da tensão que se cria, a atração pode estar comprometida também. Ou seja, esses fatores diminuem muito o desejo sexual do casal.

Problemas no relacionamento causa falta de libido?
Fonte: Inpa – Instituto de Psicologia AplicadaProblemas no relacionamento causa falta de libido?

5 – Uso de medicamentos

Pílulas anticoncepcionais, ansiolíticos ou antidepressivos alteram o libido. Afinal, medicamentos assim mexem diretamente com os níveis de hormônios. Eles também podem interferir no sistema nervoso, outro fator que compromete o desejo sexual.

Alguns dos medicamentos que podem estar associados à redução da libido em mulheres incluem antidepressivos, especialmente aqueles da classe dos inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS), usados no tratamento da depressão e ansiedade. Esses medicamentos podem afetar os neurotransmissores do cérebro, influenciando as respostas emocionais e sexuais.

Outros medicamentos, como alguns anticoncepcionais hormonais, também podem causar mudanças hormonais que impactam a libido. Além disso, alguns medicamentos para tratar condições médicas como pressão arterial alta, epilepsia e certos problemas de saúde podem ter efeitos colaterais que diminuem o desejo sexual.

6- Menopausa

A menopausa provoca desbalanço nos níveis hormonais sexuais femininos. Além disso, os outros sintomas como ondas de calor, suor noturno e cansaço frequente comprometem o libido.

7- Diminuição dos níveis de testosterona no homem

Esse hormônio está ligado a produção de desejo sexual, como dito anteriormente. Além de também produzir espermatozoides.

8- Dor durante a relação sexual

Acontece que quando há dor e/ou desconforto no momento de prazer, a procura por fazer sexo diminui. Dessa forma, o interesse e o desejo sexual ficam abalados

A dor durante a relação sexual é uma condição conhecida como dispareunia e pode ter um impacto significativo na libido feminina. Quando uma mulher experimenta dor durante o ato sexual, é compreensível que seu interesse e desejo pela atividade diminuam. A dor pode ser causada por diversas razões, como problemas físicos, tensão muscular, infecções, endometriose, condições ginecológicas ou até mesmo questões emocionais como ansiedade e medo relacionados à intimidade.

A presença de dor durante o sexo pode criar um ciclo negativo, onde a mulher começa a evitar ou sentir ansiedade em relação às atividades sexuais, o que pode levar a uma redução ainda maior do desejo sexual. A dor pode gerar tensão e afetar negativamente a experiência íntima com o parceiro, tornando-se um obstáculo para a satisfação sexual e o prazer.

É essencial que as mulheres que enfrentam dor durante o sexo busquem ajuda médica ou profissional especializado para identificar a causa subjacente e encontrar soluções adequadas. O tratamento pode variar de acordo com a causa da dispareunia, e pode incluir abordagens médicas, terapia física ou terapia sexual para abordar as questões emocionais relacionadas.

Dica Bônus:

Para nós mulheres, a falta de libido pode ser causada também pela dificuldade de se atingir o orgasmo. Ou até mesmo, por ser difícil ficar excitada. Com isso, o contato íntimo fica comprometido já que não há lubrificação da vagina. Um fator agravante para causar dor durante a relação sexual.

Como “consertar” a queda de libido

Hoje em dia a medicina proporciona uma série de caminhos. Isso mesmo, tem solução para driblar essa falta de desejo. Para homens e mulheres que estão com baixo nível de testosterona e estrogênio é indicado a reposição hormonal. Lembrando que somente um médico pode indicar. Além disso, é diagnosticado por meio de exames.

Outra alternativa são os lubrificantes íntimos e tratamentos a laser. Eles ajudam na saúde da mucosa vaginal, reduzindo desconfortos.

Já se o problema for psicológico, terapias individuais ou em casal podem ajudar. Uma rotina saúdavel também é de suma importância. Não coma somente alimentos “afrodisíacos”, faça atividade física. Esses hábitos unidos, consequentemente, aumentam a libido.

Para pessoas que persistem a falta de libido por muito tempo, mais de 6 meses. É indicado a checagem para diagnóstico, pode ser desejo sexual hipoativo. Nesses casos uma abordagem multiprofissional pode fazer a diferença.

Quando não me preocupar com a falta de libido

Quando não me preocupar com a falta de libido
Fonte: Donna Fisio – Quando não me preocupar com a falta de libido

Tenha sempre em mente, que tem fases na nossa vida que a libido tende a oscilar. Ou seja, a falta de libido em alguns períodos são normais e compreensíveis. Isso acontece por exemplo durante a gravidez, no período de pós-parto. Afinal, o corpo está passando por mudanças hormonais e a exaustão materna podem atrapalhar a libido.

Segundo profissionais, a falta de libido só pode ser problematizada quando causa incômodo e sofrimento.

Além disso, é importante lembrar que cada pessoa é única, e a intensidade do desejo sexual varia de mulher para mulher. Algumas mulheres têm uma libido naturalmente mais baixa, e isso não é necessariamente um problema ou algo que precise ser “corrigido”.

Outra situação em que não é necessário se preocupar é quando a diminuição da libido está relacionada a mudanças hormonais naturais, como a gravidez, a amamentação ou a menopausa. Essas fases podem influenciar o desejo sexual temporariamente, e é normal que a libido se ajuste às mudanças hormonais.

Conhecimento liberta

Falta de libido é  sobretudo, primeiro se conhecer
Fonte: Freepik – Falta de libido é sobretudo, primeiro se conhecer

Falta de libido é sobretudo, primeiro se conhecer

Para notar algo diferente é preciso, sobretudo, primeiro se conhecer. Então, mulheres conheçam seu corpo. Para se sentir bem é preciso explorar sua sexualidade. Não tenha vergonha, e se sinta, masturbe e entenda onde e como você se sente mais excitada. Somente o autoconhecimento pode ajudar! Se liberte, mulher!

Gostou da matéria do dia? Ainda tem alguma dúvida sobre a libido?

Leia também sobre: Body Shaming: o que é e por que as mulheres sofrem mais?

Fontes: Drauzio Uol, Viva Bem Uol, Tua Saúde, Unimed Fortaleza

Ingrid De Carvalho em blogbeyou
Ingrid Carvalho, tenho 24 anos, sou formada em jornalismo pela PUC-GO. No entanto, concidentemente o destino quis que eu fosse social media. Então de redatora de agência passei a ser social media. Fiz especialização pelo IPOG e diversas mentorias online. Gosto de signos, acredito que em toda história tem verdade. Desconfiada, curiosa e empolgada, amo escrever e amo me conectar com as pessoas. Meninas, mulheres são meu público preferido assim como os jovens. Sou muito determinada e sonhadora, acredito que um dia vou estar em New York com meu expresso lendo meu jornal diário enquanto administro meus negócios. Amo sonhar grande. Prazer, Ingrid.